Instituto Politécnico de Tomar
Newsletter
fevereiro de 2019

 Casos de Sucesso

 

Gabriel Mendes | licenciado em Comunicação Social

Gabriel Mendes | licenciado em Comunicação Social

 

Nome: Gabriel Soeiro Mendes

Idade: 33 anos

Licenciatura: Comunicação Social pela Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Profissão: jornalista, fotógrafo, gestor de projetos, blogger e viajante

Gabriel Soeiro Mendes nasceu em Tomar e estudou Comunicação Social no Instituto Politécnico de  Tomar, na nossa Escola Superior de Tecnologia de Abrantes. Trabalhou na InfoPortugal, uma empresa de conteúdos digitais e soluções tecnológicas de geolocation, dedicada aos mercados de SIG e da mobilidade.

Fez um curso de fotografia no Instituto Português de Fotografia e outro na Academia Olhares.

A partir de 2010, passou, também a fazer gestão de projetos. Colaborou com o Jornal Expresso com o suplemento Boa Cama Boa Mesa.

  Caso de Sucesso - Gabriel

Em 2013, criou o blogue Uma Foto, Uma História que lhe permitiu em 2014 ganhar o prémio da BTL “Melhor Blogue de Fotografia de Viagens“. Em 2015 venceu novamente na categoria “Melhor Blogue de Fotografia de Viagens”. Este ano repetiu a proeza e ganhou, novamente, o prémio naquela categoria.

Desde do início do ano, Gabriel Soeiro Mendes iniciou um novo projecto é Editor Online na Plot Content Agency, uma agência de marketing dedicada ao content marketing e branded content. É editor-in-chief do website do Pingo Doce.

 

Quais são as vantagens de teres estudado na nossa Escola Superior de Tecnologia de Abrantes (ESTA)?

Pelo facto de ser uma escola pequena acho que nos dá uma humildade e isso é importante depois nas nossas tarefas. E para além disso, mantemos uma relação muito intensa, muito próxima entre alunos e também com os professores. Isso é algo que não se consegue nas faculdades maiores. Como estamos num ambiente mais pequeno quer seja em Abrantes, quer seja em Tomar o facto de estarmos nesse ambiente faz com que criemos relações mais próximas nomeadamente com os amigos, muitos dos meus amigos são os amigos que conheci na faculdade há 10 anos. E essa é uma vantagem de uma escola mais pequena.

A formação que é dada no IPT prepara os alunos para o mercado de trabalho?

A preparação que a ESTA/IPT nos proporciona é muito mais prática em detrimento de uma educação mais teórica. Prepara-nos nesse aspecto sem descurar o nosso desenvolvimento pessoal… aprendemos muito, partilhamos muito em grupo. E, essas aptidões acabam por se revelar fundamentais, no mercado de trabalho pois aplicamos essa humildade e o método de trabalhar em grupo.

Quando começaste a estudar imaginaste o rumo que a tua vida profissional ia ter?

Quando escolhi o curso nem sequer tinha muita certeza, mas… realmente agora visto à distância….quando era criança, eu e o meu irmão tínhamos um jornal que fazíamos no nosso sótão, chamado o Radical. Nós imprimíamos, tirávamos cópias e depois agrafávamos e íamos vender. Quando terminei o curso fui estagiar para o JN no Porto e gostei bastante. E depois iniciei a minha primeira experiência profissional no trabalho a full time que durou 10 anos. Quando tu entras numa empresa não vais fazer jornalismo puro, aquele jornalismo idílico que estavas a imaginar. Tens de começar um bocadinho mais por baixo. Portanto, fui para uma posição que nem sequer era relacionada com o jornalismo. Fui mostrando o meu trabalho, a minha paixão e fui propondo coisas.

O que traz de novo esta nova experiência como Editor Online?

Não é jornalismo puro. Hoje cada vez mais se fala em produção de conteúdos e eu estou mais na parte de produção de conteúdos para além disso estou também na parte da fotografia. E tudo aquilo que aprendi em termos de jornalismo também é importante na parte de produção de conteúdos. Estamos a falar de uma área que é mais escrever. Nós temos o que interessa às pessoas e aquilo que interessa ao cliente. Não me interessa fazer um conteúdo que seja puramente publicitário. Não vai ter interesse para as pessoas. Não me interessa fazer um conteúdo interessante, mas que depois não fale da marca. O que eu tenho de encontrar é uma forma de fazer conteúdo que seja interessante, mas que também fale sobre a marca. Nesta altura consigo manter as 3 áreas, faço algum jornalismo, estou na parte de produção de conteúdos para o cliente e depois estou na parte da fotografia. E esse é que é o segredo … ser multifacetado.

Como defines o blogue Uma Foto, uma História?

O meu blogue não deixa de ser um hobby. Que me acaba por trazer alguns desafios profissionais, mas nasceu do meu gosto pela fotografia e pelas viagens. Eu já fotografava algum tempo. Achei interessante publicar para o mundo. Contar uma história através de uma fotografia. Na minha carreira acabo por me desviar um pouco do jornalismo puro e duro e o blogue funciona como uma ferramenta para manter sempre em mim o caminho do jornalismo e da fotografia.